UFPel
Faculdade de Letras

Justificativa


As tecnologias de informação e comunicação (TICs) estão sendo inseridas a cada dia no cotidiano escolar como elemento facilitador do ensino. Educadores crêem que o uso de diferentes mídias e instrumentos facilita o trabalho docente e podem beneficiar na melhoria da qualidade de ensino. Entretanto, não basta meramente a inclusão dessas tecnologias no contexto da educação, é necessário, antes de tudo, de uma mudança de postura educativa.

Muitos projetos do Ministério da Educação e agências fomentadoras de pesquisa têm investido grandes somas em dinheiro para a aquisição por parte das escolas e instituições de educação de laboratórios e equipamentos diversos para uso educativo. A inclusão digital passou a ser um desafio e identificada também como uma das formas de inclusão social. Muitos projetos sociais, hoje em dia, prevêem a aquisição de equipamentos tecnológicos cujo objetivo é o ensino e o despertamento para a aprendizagem.

Muito do que se tem visto é a mudança de instrumento sem, contudo, haver mudança na postura dos professores. Em muitos casos nem um e nem outro mudou. Muitos professores ainda são o centro do processo de ensino e usam os velhos quadro negro e giz e muita saliva. A construção do conhecimento ou o desafio da pesquisa através da rede mundial de computadores ainda é utopia em muitas escolas. Por outro lado, mesmo em escolas de periferia, muitos professores têm mudando radicalmente sua forma de trabalhar e de ver a participação do aluno no processo educativo. O incentivo à pesquisa, o desafio, a motivação para a leitura e para o estudo, tem feito com que muitas realidades mudem e transformem a vida de muitos estudantes e professores.

Na cidade de Pelotas a realidade não é diferente de outros lugares, com uma complexidade que impede generalizar ou homogeneizar a educação. Se por um lado podemos encontrar práticas tradicionais baseadas na centralização do poder e na transmissão de informações como forma exclusiva de ensino, por outro lado, podemos identificar propostas educativas que prevêem a participação do aluno em projetos de construção de conhecimento com o apoio das tecnologias. São possibilidades diversas, desde a rádio na escola, sites, podcasts até os laboratórios de apoio com produção de vídeo para aulas.